03
Set

A PRIMAVERA ( MARIA SUERLEIDE DE MEDEIROS)

Se olhares ao seu redor
Verás a primavera
As flores, violetas, brancas
E também amarelas
Dão um testemunho vivo
Do grade Deus que cuida delas
Uma mão invisivel zelosa
Que a natureza pinta
Mostra que é bem vinda
a estação maravilhosa
Abra a sua vida e olhos
Para a primavera
Não para uma prima qualquer
Não para uma vera qualquer
Mas abra a sua sensibildade
Para a primavera que está entrando
Pelas suas narinas, a toda velocidade

UM POEMA EM DESATINO (JAIR ELOI DE SOUSA)

Nos reflexos suaves das luzes que me cercam,
Qadros, paredes, bancos, fatos nunca deixam,
Sem uma mera ironia
Para fazer conclamar minhas poesias
Não sei se paro pro tempo
Ou se o tempo para pra mim,
Poesia em desatino faço assim,
Talvez porque seja eloquente
Vejo os povos, as multidões, o mundo inteiro,
Proclamar greves, protestos e guerras,
Chega-se a imaginar; os homens são flibusteiros...
Lutam até contra o espaço, fazem de tudo na terra,
Mas, a inveja é grande, acabam na hipocrisia,
São sábios do próprio tempo, são monstros da idolatria

Banner_Queijeira_1950x300

Comentários (0)