Banner
04
Dec

Artigo: A Igreja Católica precisa de mais padres com a personalidade de Vicente Fernandes Neto

Imprimir
PDF

pe.vicente_santacruzA igreja católica precisa de mais sacerdotes como Pe. Vicente Fernandes Neto, pároco de Santa Rita de Cássia.

Sem medo de utilizar a tribuna da igreja, ou as rede sociais, Pe. Vicente faz hoje o que muitos sacerdotes fizeram há anos atrás: defender a justiça social e procurar melhorar a sociedade em que vivemos, priorizando os mais pobres e necessitados.

Foi assim neste final de semana, quando em sermão, o padre desabafou. Falou sobre a insuportável onda de insegurança do nosso estado, que fez mais uma vítima inocente, um professor da cidade de Tangará. E sugeriu até que o governador renunciasse, pois, segundo o padre, nosso representante do executivo estadual não dá mais conta de tirar o estado desta situação. Tudo em um tom sereno e que nos fez lembrar da importância da igreja de procurar ser a voz dos que mais necessitam, e daqueles que não tem de onde socorrer para serem ouvidos.

Pe. Vicente nos fez lembrar Monsenhor Raimundo Gomes Barbosa, com a famosa faixa me frente à igreja: "Adutora sim, voto sim. Adutora não, voto não!". Naquela época, muitos encararam como politicagem de Monsenhor, mas hoje todos entendemos que ele utilizou aquele meio para chamar atenção da sociedade e fazer com que seu rebanho não sofresse mais cede. Hoje é um herói da sociedade santacruzense. Assim o fez Pe. Vicente, buscando uma sociedade mais justa em meio a tanta violência.

Mas, como nem sempre é compreendido, foi injustiçado por um veículo de comunicação que disse que era para ele ter até vergonha na cara pelas palavras que usou, distorcendo a importância de todos estes fatos históricos que citei acima e que a igreja precisa retomar para ser a voz da sociedade, onde o sacerdote estiver. Sem se intimidar, padre Vicente respondeu assim ao veículo de comunicação:

"O que é ter vergonha na cara:

Vergonha na cara é você ter coerência, caráter, personalidade, respeito pelo outro. Vergonha na cara é você não ser vendável, não viver a mendigar as esmolas governamentais, para manter um meio de comunicação maquiador e inverídico.

Vergonha na cara é você não ser omisso diante de uma situação desastrosa que vive o nosso RN, vivemos num verdadeiro rastro de sangue de norte, sul, leste e oeste do estado.

Vergonha na cara é saber se comportar com hombridade em qualquer situação, em que você possa se reportar, inclusive nas redes sociais.

Vergonha na cara é você ter coragem e mostrar seu rosto, sem medo de ser retaliado por aqueles que dominam, oprimem e muitas vezes são indiferentes à atual situação em que vivemos, porque para alguns o importante são as gorjetas mensais, por publicarem uma maquiagem mal feita e não publicarem a verdadeira e real situação em que vivem a segurança, a saúde, as estradas, os funcionários e os aposentados do nosso RN.

Somos chamados para anunciar e denunciar. Anunciamos o reino de Deus e denunciamos as injustiças praticadas por aqueles que se dizem representar os anseios do povo sofrido e explorado a cada dia.

Mas senhor Robson Pires, eu entendo a sua revolta e o seu desequilíbrio emocional comigo ou com qualquer outro padre. O senhor perdeu um império de mais de trinta anos, o senhor era um verdadeiro coronel da comunicação no Seridó, quando dominava a RÁDIO RURAL DE CAICÓ, onde tiveram coragem e tiraram do ar, o maior desserviço daquela região, que foi o seu domínio da rádio. Rádio essa, que era usada para os seus próprios interesses, tornando-lhe temido por alguns políticos seridoenses, onde eram chantageados a todo instante. Isso sim que merece ter vergonha na cara e não usar de jogo baixo e sorrateiro. Não se preocupe que o título mencionado no seu blog, não me amedronta e nem me diminui em nada. Rezo pela sua sanidade. Paz e bem."

E assim continuará o sacerdote pároco de Santa Cruz, orgulhando a muitos que o compreendem e fazendo outros tantos não o compreenderem, mas, acima de tudo, continuará sendo uma voz incansável em busca de uma sociedade melhor.

supercopia_ok

Comentários (0)