Banner
03
Jan

Santa Cruz entra 2018 com altos índices de proliferação do mosquito transmissor da dengue

Imprimir
PDF

AES-DENGUE-OK

Santa Cruz terminou o ano de 2017 sem viver nenhuma epidemia de doenças causadas pelo mosquito Aedes Aegypti, mas as autoridades de saúde voltam a reforçar a preocupação no alto incide de infestação que existe na cidade.

Durante todo o ano, Santa Cruz sempre registrou o índice de infestação acima de 10% das residências. Isso significa que existe a proliferação do mosquito, mas não está havendo a transmissão do vírus.

Cenário este que pode mudar com a chegada de 2018. Os primeiros meses de um ano são os que mais se tem registros de casos de doenças transmitidas pelo Aedes, dengue, zika vírus e Chikungunya, situação que faz com que as autoridades estejam preocupado com a possibilidade da cidade viver epidemia de uma destas doenças nos primeiros meses de 2018.

Ao longo do ano, a Vigilância Ambiental desenvolveu diversas ações educativas visando a diminuição da proliferação do Aedes Aegypti, focando especialmente as crianças, que se tornam disseminadores das informações.

brenobannernovo

Comentários (0)